19°

Poucas nuvens

Santa Rosa - RS

Economia Lixo Eletrônico

Lixo eletrônico: o que fazer com os itens antigos ou quebrados

Geladeiras, celulares e computadores podem poluir o meio ambiente se não forem descartados com os devidos cuidados

09/11/2021 às 07h51 Atualizada em 09/11/2021 às 07h55
Por: Redação Fonte: R7 - João Melo*, Do R7
Compartilhe:
Lixo eletrônico: o que fazer com os itens antigos ou quebrados

O final do ano é uma época na qual muitas pessoas compram novos produtos eletrônicos e, na maioria das vezes, os itens velhos ou que não funcionam mais são descartados, o que gera um problema para quem precisa se desfazer do bem e também para o meio ambiente.

Os eletroeletrônicos recebem o nome técnico de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE), e esta classificação abrange toda uma gama de objetos que vão desde celulares, computadores e ventiladores, até panelas elétricas, geladeiras e micro-ondas.

“Uma das dificuldades é a conscientização do consumidor. Quando ele precisa de alguma coisa nova procura canais para comprar e sempre encontra. Um website novo, um aplicativo novo, um produto novo ou usado. A dificuldade é realmente na hora de descartar, porque muita gente não tem consciência do que fazer e aí tudo acaba indo para o lixo comum”, afirma Sergio de Carvalho Mauricio, presidente da ABREE (Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos).

Assim como produtos que têm uma vida útil menor e são jogados no lixo diariamente, dispositivos eletrônicos que não têm mais utilizadade também precisam ser separados e descartados da maneira correta.

Um relatório divulgado neste ano pela Green Eletron, empresa com foco na logística reversa de aparelhos eletrônicos, aponta que  somente 3% do volume deste tipo de lixo foi reciclado no Brasil nos últimos 2 anos. Um dos motivos é o fato de que 33% das pessoas entrevistadas pelos pesquisadores nunca ouviram falar em pontos ou locais corretos para descarte de lixo eletrônico.

Entre as pessoas que conhecem algum ponto de coleta, apenas 7% revelaram descartar seus eletroeletrônicos da maneira correta. E dois motivos foram os mais citados para justificar o descarte inadequado: não saber onde há um coletor (20%) e conhecer um coletor mas ele ser distante da região da residência (21%).

O que reciclar e onde?

O chefe executivo da ABREE ressalta que quase todos os eletroeletrônicos e eletrodomésticos podem ser reciclados de alguma forma, uma vez que eles são compostos por plástico, vidro, metais e borracha, materiais que normalmente já são recebidos, separados e tratados nas empresas de reciclagem.

“Algumas reciclagens são mais simples, porque você só precisa remover o material e reinserir em uma cadeia produtiva, e outras precisam de descontaminação, limpeza, separação e classificação, um processo um pouco mais complexo.”

Em relação aos locais corretos para fazer o descarte, especialistas indicam tanto os ecopontos, principalmente para dispositivos muito grandes, como os PEVs (Pontos de Entrega Voluntária) instalados em regiões de fácil acesso. Eles são colocados em lugares selecionados e apropriados para receber esses resíduos sólidos.

A ABREE, por exemplo, já conta com mais de 3 mil pontos de coleta de eletrônicos no Brasil, resultado de parcerias feitas com Municípios e e redes de varejo que normalmente vendem esses produtos. Além disso, o site da associação tem uma área onde a pessoa pode digitar o seu CEP e selecionar o produto que deseja descartar. Então, são exibidos os PEVs mais próximos da sua residência para realizar o descarte.

“Como consumidor, o importante é saber onde descartar o material para que ele siga para um fim mais honroso do que ser jogado no lixo comum e acabar limitando a vida útil de aterros. Ou pior ainda, ser descartado em terrenos baldios, nos rios e nas praias”, enfatiza Sergio.

Riscos ao meio ambiente e a melhor forma de descartar

Equipamentos que contém circuitos de refrigeração, como ar-condicionado, geladeira e frigobar, são considerados um dos mais nocivos à natureza, uma vez que eles armazenam gases refrigerantes. Se colocadas em locais inadequados, essas substâncias podem se desprender do circuito e acabarem contribuindo para o efeito estufa.

O presidente da ABREE ressalta também que muitos eletrodomésticos têm motores nas suas estruturas e, por conta disso, armazenam algumas quantidades de óleo que se não forem despejadas nos pontos corretos, podem contaminar o solo.

os circuitos eletrônicos de computadores e celulares, por exemplo, têm quantidades significativas de metais pesados como mercúrio, chumbo e cádmio. Essas substâncias são altamente poluentes e o contado delas com o meio ambiente pode afetar a qualidade do solo e das águas de rios e lençóis freáticos.

Tratando-se do mercúrio e do cádmio, esses elementos também podem causar intoxicação aguda e crônica às pessoas que entrarem em contato com eles. O chumbo, além dos riscos dos outros dois elementos, é considerado cancerígeno, sendo nociso aos rins e ao sistema nervoso dos seres humanos.

Sergio orienta os consumidores a sempre realizarem uma limpeza superficial nos produtos antes de descartá-los. Além disso, no caso de objetos quebrados e que possam oferecer algum tipo de risco para os funcionários das empresas que vão manuseá-los, a orientação é para que eles sejam colocados em ambientes com a segurança reforçada.

Outra dica é para que as pessoas que não sejam especialistas não abram e desmontem os produtos em casa sem algum tipo de orientação, dado que alguns componentes do dispositivo em questão que são desconhecidos podem oferecer algum risco à saúde do cidadão.

Reciclagem no Brasil em relação ao mundo

Sergio de Carvalho afirma que o Brasil ainda está atrás de alguns países que são referência no descarte de produtos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, como Japão e Alemanha.

“A gente ainda tem muito a aprender com eles, principalmente na disciplina do consumidor em buscar alternativas adequadas. Cultura é um processo que demora para mudar de maneira natural e todo tipo de comunicação e educação ambiental ajuda a acelerar esse processo de mudança de mentalidade”, afirma.

“Além disso, estabelecer uma boa rede de pontos de recebimento também facilita. Você ter um consumidor consciente e que não tem um local para descartar próximo a sua residência é algo ainda muito comum no Brasil, infelizmente.”

Um ótimo exemplo de como o lixo eletrônico pode ser reutilizado foi dado nas Olimpíadas de Tóquio 2020. Na ocasião, todas as medalhas conquistadas pelos atletas foram produzidas a partir de ouro, prata e cobre reaproveitados de celulares e computadores descartados.

No total, foram utilizados mais de 6 milhões de telefones quebrados e 78 toneladas de computadores para a fabricação de cerca de 5 mil medalhas para o evento.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Santa Rosa - RS Atualizado às 06h15 - Fonte: ClimaTempo
19°
Poucas nuvens

Mín. 17° Máx. 28°

Ter 31°C 16°C
Qua 31°C 16°C
Qui 34°C 17°C
Sex 37°C 19°C
Sáb 31°C 17°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete