19°

Poucas nuvens

Três de Maio - RS

Rural Unitec

Preservando a produção e a qualidade do leite

Médico veterinário Orlando Bohrer explica que o clima quente das estações primavera e verão desfavorece a atividade, mas alguns cuidados básicos podem amenizar os problemas

08/10/2021 às 10h18
Por: Giovana Herpich Fonte: Assessoria de Comunicação Unitec
Compartilhe:
Preservando a produção e a qualidade do leite

Os produtores de leite já conhecem as consequências que os dias mais quentes provocam no rebanho leiteiro e, consequentemente, na produção e na qualidade do leite produzido.

Aliás, existem várias características influenciadoras que favorecem a queda da qualidade do leite no período da primavera/verão. A afirmação é do médico veterinário Orlando Luiz Maciel Bohrer, associado da Unitec.

O profissional explica que os períodos mais quentes começam na primavera, em setembro, aumentando até o pico no verão, em dezembro e janeiro, e desfavorecem a produção e a qualidade do leite, especialmente porque se tem, nos rebanhos, a predominância de das raças Jersey e Holandesa, que são, por origem, descendentes de climas temperados a frio, características que não se perderam.

Bohrer destaca que, nesta época, há muitas vacas paridas do outono/inverno, aumentando o número de vacas em produção e que logo estarão com a lactação adiantada e no verão em fim de lactação.

“Devido a isso, neste período, há uma tendência de as vacas perderem o conforto, se alimentarem menos, ingerirem mais água para perder calor e buscarem mais a sombra. Temos, portanto, uma situação estressante para os animais. Ao ingerirem menos alimentos, elas estão sujeitas à quedas de resistência orgânica e aumento de enfermidades, somando a isso a queda na produção de gordura e proteína.”

O associado da Unitec acrescenta que este período mais quente também favorece as infecções bacterianas, principalmente se ocorrerem chuvas frequentes e as vacas em lactação permanecerem em locais úmidos, sujos e contaminados.

“Ainda, há fatores que desfavorecem a qualidade do leite no que diz respeito à higiene da ordenha, a limpeza de úbere mal feita e as práticas mal conduzidas, como a má limpeza e desinfecção da ordenhadeira, em especial as teteiras (insufladores) velhas e vencidas, que acumulam sujeiras e favorecem o aumento das mamites subclínicas e clínicas, aumentando as células somáticas e, por consequência, descontos no preço do leite e infecções que requerem descarte de leite e custos de tratamento. São situações de extremo prejuízo para a propriedade rural”, enfatiza.

O que o produtor pode fazer para amenizar os problemas decorrentes dos fatores adversos?

A fim do produtor se preservar quanto às perdas no período, o médico veterinário ressalta que, em primeiro lugar, não se pode descuidar do conforto dos animais, em especial das vacas em lactação, que são o carro-chefe da renda da propriedade.

“É importante identificar as melhores opções para conforto, como sombra e água disponível sempre perto, alimentação em pastoreio ou em cochos, de forma que favoreça a vaca e a diminuição do estresse, como pastoreio à noite e alimentação em cochos durante o dia na sombra. Além disso, direcionamento em locais de pousio limpos e secos, que favoreçam a higiene do úbere, e a não contaminação por ‘sugidades’, como lama, esterco e os locais úmidos, são fundamentais”, explica.

Ele também esclarece que é fundamental nunca abrir mão de rações e minerais de qualidade. “Isso é resistência orgânica, defesa, assim como pastagens e silagens de qualidade, ou seja, sem fungos e bolores. Estabelecer imediatamente higiene impecável do úbere e a desinfecção dos tetos pré e pós ordenha eficiente e limpeza da ordenhadeira com produtos de qualidade e teteiras novas, de maneira a ter uma eficiente ordenha, é fundamental.”

Bohrer diz, ainda, que é necessário fazer o CMT (Califórnia Mastite Teste), periodicamente, para identificar vacas com possíveis mastites subclínicas. “Este teste avalia células somáticas, não as conta, mas é importantíssimo para identificar possíveis agressões do úbere por contaminação bacteriana.”

O profissional também recomenda a avaliação das vacas em adiantada lactação, com elevada Contagem de Células Somáticas (CCS) e passíveis de secagem. “Aconselho utilizar produtos de qualidade para a limpeza da ordenhadeira e higiene do úbere e manejo geral, de maneira a ter menos de 100 mil de Contagem Bacteriana Total (CBT) e menos de 300 mil de Contagem de Células Somáticas (CCS), e, com isso, ganhar premiação por qualidade. O produtor necessita fazer a manutenção da ordenhadeira para evitar falhas na retirada do leite e contaminações do úbere das vacas”, finaliza.

Associado da Unitec há 22 anos, Orlando é médico veterinário, pós-graduado em Sanidade Animal e Educação Ambiental e especialista em Nutrição de Ruminantes. Atuou profissionalmente durante 15 anos em cooperativas de produção nas áreas de bovinocultura de leite e de corte. Também atuou como professor na Unijuí, por três anos, e como profissional autônomo nos últimos 27 anos no Senar-RS e na assistência a propriedades rurais leiteiras e de corte no Estado do Rio Grande do Sul.

> Receba todas as notícias do Clic Noroeste no seu WhatsApp. Clique aqui

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Três de Maio - RS Atualizado às 07h44 - Fonte: ClimaTempo
19°
Poucas nuvens

Mín. 16° Máx. 33°

Qui 31°C 17°C
Sex 30°C 18°C
Sáb 28°C 18°C
Dom 27°C 18°C
Seg 28°C 16°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete