Sexta, 17 de Setembro de 2021
17°

Poucas nuvens

Três de Maio - RS

Especiais Gestão,Negócios&Cia

A iniciativa faz toda a diferença

Thomas Lee Osborn, empresário que também é missionário escreveu que “Só cresce aquele que tenta fazer algo além das capacidades que já domina.”

24/06/2021 às 10h55
Por: Marcelo Blume
Compartilhe:
Foto: Freepik
Foto: Freepik

Vou começar hoje confessando que tenho muita dificuldade de entender tamanha falta de iniciativa na vida pessoal e profissional de algumas pessoas. Ao pensar sobre determinadas situações fico imaginando o que causa tanta inércia, o que tira a energia, a vontade destas pessoas. 

Vídeos, lives, textos, sobre crescimento, desenvolvimento pessoal e importância da iniciativa para o alcance dos objetivos das pessoas são de fácil acesso e têm grande volume e diversidade, o que me faz pensar que o problema não seria a falta de acesso a informação. Claro que é bem mais fácil falar do que agir, e a acomodação, bem como o medo do que é diferente, mesmo sendo melhor, podem ser respostas para tanta falta de iniciativa, mas é preciso aprofundar um pouco mais este entendimento para ajudar as pessoas a terem mais iniciativa.

Thomas Lee Osborn, empresário que também é missionário escreveu que “Só cresce aquele que tenta fazer algo além das capacidades que já domina.” Em outras palavras, a iniciativa é fundamental para o crescimento das pessoas, das famílias, das empresas, clubes, instituições, municípios, estados e países. Seja qual for o feito, de pequeno, médio ou grande impacto ou relevância, depende de alguém ou de um grupo que tenha iniciativa. Aquelas grandes ideias que ficam só nas conversas e nos debates, representam a falta de iniciativa na velha máxima do “alguém deveria ter feito, mas ninguém fez”.

Um conto breve bastante utilizado em textos e palestras para os participantes entenderem o modelo mental da iniciativa, narra a passagem de um especialista em mentes que chegou à cidade garantindo que poderia provocar acontecimentos e mobilizar as pessoas. O anúncio causou grande curiosidade e atraiu muita gente que logo no início da apresentação foi convidada a se concentrar ao máximo, quando o especialista acendeu uma vela e pediu que todos tentassem apagá-la. Algumas pessoas teriam recitado mantras, outras fecharam os olhos e tentaram mandar o máximo de energia para a tarefa, mas nada ocorreu, até que o palestrante chamou a atenção da plateia e perguntou se alguém poderia subir ao palco e efetivamente apagar a vela. A maioria das pessoas ficou desconcertada e sem ação, até o palestrante explicar que sua intenção era mostrar logo no início da sua fala que as soluções para a maioria dos problemas são simples, desde que alguém tome a iniciativa.

Na família, nas empresas, instituições, entidades, também é assim e muito pode ser feito, desde que alguém, ou um pequeno grupo tome a iniciativa. Convido os amigos leitores a observarem como as pessoas reagem a um papel que caiu no chão, ou a uma pessoa que chegou no espaço de atendimento de alguém que está ausente momentaneamente, ou ainda, quantas pessoas preferem responder “não sei”, ao invés de procurar a informação que está acessível. Muitas profissionais parecem ficar esperando que situações simples se resolvam sozinhas, ou por outros, mas não tem iniciativa para uma ação simples, que soluciona o problema. 

A falta de iniciativa parece impedir pessoas de agirem na direção das soluções. Algumas situações são fáceis de identificar, como a preguiça, por exemplo, que impede as pessoas de saírem daquele aparente conforto e ao mesmo tempo as afasta de mudanças simples que ajustariam boa parte daquilo que não gostam em suas vidas. A procrastinação, deixando para depois, ou para amanhã, aquilo que poderia ser rapidamente resolvido, é outra evidencia de falta de iniciativa. Da mesma forma a insegurança que atrapalha quem deseja coisas diferentes, mas não consegue mudar nada na vida pelo medo de perder o status ou algo que possui ou ainda, o que lhe deixa confortável, tranquilo, sem exposições que poderiam arriscar algo da situação atual. 

O medo de ser ridicularizado por alguém, e o medo de retaliações de outros, assim como a falta de objetivos e a resistência a mudanças são nitidamente outras dificuldades que precisam ser enfrentadas por aqueles que querem ter mais iniciativas.

Desejando a todos mais iniciativa, um abraço e até a próxima!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Gestão,Negócios & Cia
Gestão,Negócios & Cia
Sobre Marcelo Blume é Administrador, Especialista em Marketing e Mestre em Engenharia de Produção. Vice-diretor da FAHOR e professor convidado em diversas IES, também é sócio e consultor da Referenda Consultoria, palestrante, pesquisador e escritor, com artigos e 4 livros publicados na área de gestão.
Três de Maio - RS Atualizado às 21h46 - Fonte: ClimaTempo
17°
Poucas nuvens

Mín. 12° Máx. 19°

Sáb 27°C 15°C
Dom 29°C 17°C
Seg 30°C 17°C
Ter 19°C 13°C
Qua 19°C 8°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete